PMs roubavam botijões de comerciantes que não pagavam taxa para o tráfico - Conexão ES
ESCOLHA A SUA CIDADE
    HORA CERTA
    Política
    PMs roubavam botijões de comerciantes que não pagavam taxa para o tráfico O agente e sua quadrilha, integrada por pelo menos mais sete policiais militares, pagavam R$ 80 mil mensais ao tráfico para ter exclusividade nas vendas de gás
    (Foto: Divulgação)
    Autor: Conexão ES
    02 de Julho de 2019 às 07h34

    Policiais militares roubavam cargas de botijões de gás de comerciantes da Ilha do Governador, na Zona Norte do Rio, que não tinham autorização do tráfico para vender o produto. Uma investigação da Corregedoria da PM revela que um sargento lotado no Comando de Polícia Ambiental (CPAM) era o dono do único depósito de gás autorizado pelo traficante Fernando Gomes Freitas, o Fernandinho Guarabu — chefe do tráfico da região morto na semana passada —, a vender botijões. De acordo com o Inquérito Policial Militar (IPM), o agente e sua quadrilha, integrada por pelo menos mais sete policiais militares, pagavam R$ 80 mil mensais ao tráfico para ter exclusividade nas vendas de gás no bairro.

    A investigação teve início depois que um comerciante procurou a Corregedoria para denunciar o esquema. Segundo seu depoimento, o policial militar e seus comparsas roubaram 38 botijões de gás que estavam dentro de um caminhão de sua empresa que entrava na Ilha do Governador em setembro do ano passado. O motorista do caminhão, que também prestou depoimento, ainda afirmou que foi ameaçado pelo policial militar: se a empresa continuasse vendendo botijões, o homem seria levado a traficantes do Morro do Dendê “para um corretivo”. Outro dono de uma distribuidora de gás confirmou, em depoimento, que o PM “ameaça todos os comerciantes que não obedecem suas ordens”.

    Entre os policiais investigados por integrar a quadrilha, há um tenente e um cabo da reserva. Os agentes são lotados em quatro batalhões diferentes. Na semana passada, a Corregedoria cumpriu mandados de busca e apreensão contra os PMs. A operação acabou levando à morte de Fernandinho Guarabu e outros quatro comparsas que furaram um bloqueio feito por policiais do Batalhão de Choque durante a ação.

    Interceptações telefônicas autorizadas pela Justiça também revelam um aumento recente no valor pago pela quadrilha dos PMs aos traficantes. Numa das ligações, um sócio do PM afirma a outro comparsa que o chefe do grupo "tá conseguindo o compromisso lá do de cima, tá pagando direitinho" e explica que "a companhia tá ajudando ele a pagar o morro". O interlocutor pergunta sobre o valor pago aos traficantes: "Aumentou pra R$ 80 ou tá os 70 mil ainda?". "R$ 80", responde o sócio.

    Em outra ligação, um dos sócios combina com o policial chefe do grupo o pagamento a um PM lotado no batalhão da área, o 17º BPM (Ilha do Governador), para que a unidade pare de apreender veículos usados pela quadrilha. “Aquele parceiro quer o dinheiro hoje, amanhã não vai tá, aí ia apreender o carro aqui de novo”, diz o comparsa ao policial. "Vou ver isso aí", responde o PM.

    Guarabu e corrupção policial

    O envolvimento da quadrilha de Guarabu com policiais militares já foi comprovado por diversas investigações. Em 2014, 15 PMs do 17º BPM — incluindo o então comandante da unidade, coronel Dayzer Corpas — foram presos acusados de receber propina da quadrilha de Fernandinho Guarabu para não reprimir o tráfico na Ilha. Na ocasião, os agentes liberaram dois traficantes do bando que haviam sido detidos numa blitz após o pagamento de R$ 300 mil. Os agentes ainda venderam a traficantes do Morro do Dendê três fuzis apreendidos na ação, pelo valor de R$ 140 mil.

    Uma outra investigação revelou que o braço-direito de Guarabu era um ex-PM. Antônio Eugênio de Souza Freitas, o Batoré, foi preso em abril de 2017, acusado de ser o responsável por extorquir motoristas de vans para o chefe. Solto um mês depois, Batoré estava no mesmo veículo que Guarabu e também foi morto na semana passada.

    Já um vídeo gravado em janeiro de 2017 no bunker de Guarabu, dentro do Dendê, mostra o sargento PM Renato Alves da Conceição entregando um fuzil AK-47 para um comparsa do chefão. Conceição foi morto semanas após a filmagem, na Gardênia Azul, em Jacarepaguá, Zona Oeste do Rio, no carro de luxo que ele dirigia.

    Finalmente, no ano passado, um pente-fino feito pela Corregedoria no 17º BPM terminou com a apreensão de drogas, munição fria — que não pertence à PM —, uma granada e uma luneta para fuzil em três armários da unidade. A ação foi realizada na semana seguinte à morte do major Alan de Luna Freire, então chefe do Serviço Reservado (P-2) do batalhão.





    Fonte: Extra 

    COMENTÁRIOS *
    * Opiniões expressas na área "Comentários" são de exclusiva responsabilidade do autor e não necessariamente representa o posicionamento do Conexão ES.